26 de setembro de 2010

Diversos países pobres não alcançarão os objetivos do milênio em 2015

Por Nieves San Martín


Cinco anos antes do fim do prazo assinalado pela ONU para se cumprirem os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), a Cáritas Internacional afirmou que muitos países pobres não poderão alcançar as metas. A organização humanitária da Igreja fez esta afirmação no contexto da cúpula da ONU celebrada sobre o tema em Nova York, entre 20 e 22 de setembro.

O objetivo deste encontro de líderes mundiais foi acelerar o avanço dos objetivos propostos, uma série de metas que vão desde reduzir a mortalidade materna e infantil até reduzir pela metade o número de pessoas que passam fome no mundo.

O secretário geral da Cáritas Senegal, Ambroise Tine, participou da cúpula como representante de Cáritas Internacional. “Se perguntar a uma família pobre do Senegal se já ouviu falar dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, é quase certo responderem que não. Mas estão trabalhando cada dia mais para alcançá-los. Conhecem os ODM por outro nome. Eles o chamam de sobrevivência”, afirmou ao portal da Cáritas.

“Nossa geração é a primeira que possui conhecimentos e recursos para ajudar milhões de pessoas a escaparem da pobreza. O que faz falta é vontade política dos líderes mundiais para cumprir as promessas de seus governos. Esta vontade política deve ser manifestada no cancelamento da dívida, em regras justas de comércio internacional e mais ajuda. Não é simplesmente questão de mais dinheiro. Necessitamos de líderes políticos que olhem a todos como seres humanos cuja dignidade, liberdade e direito de melhores condições de vida são invioláveis e profundamente sagrados”, acrescentou.





A Caritas Internacional reconheceu que na última década houve progressos, desde que os líderes mundiais firmaram a Declaração do Milênio de 2000. Recordou ainda que, quando as taxas escolares foram abolidas na Uganda, Tanzânia e Quênia, sete milhões a mais de crianças começaram a frequentar a escola. Além disso, constata que foi multiplicado por dez o tratamento contra a SIDA-AIDS e o HIV nos últimos cinco anos. Mas advertiu que, faltando cinco anos para a meta prevista de 2015, muitos países pobres não alcançarão os objetivos.

A Cáritas Internacional destacou que uma em cada sete crianças na África não chega ao seu quinto aniversário. No mundo, 8,8 milhões de crianças morreram em 2008. Quatro doenças – pneumonia, diarreia, malária e AIDS – são a causa de 43% dessas mortes. A organização humanitária da Igreja está desenvolvendo uma campanha internacional de apoio aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.



.......................................................


(Pena que muitas das ações desenvolvidas prol ODMs sejam contrárias à fé católica...)

5 de setembro de 2010

"Sim” à proteção animal, mas não às custas da vida humana...

Tradução: Nieves San Martín

Os métodos alternativos aos testes com animais poderiam incluir testes com células-tronco embrionárias humanas e após o projeto da Diretiva Europeia que está sendo preparado, os Estados membros poderiam ser obrigados a utilizar tais testes. Sobre esta questão, a Commission of the Bishops' Conferences of the European Union - COMECE (Comissão de Conferências Episcopais da Comunidade Europeia) se manifestou contra e no próximo dia 08 de setembro, a Assembleia Plenária do Parlamento Europeu se pronunciará, em segunda leitura, sobre um projeto da Diretiva sobre a proteção dos animais utilizados com fins científicos (COD/2008/0211).

São utilizados animais na pesquisa científica para o desenvolvimento de medicamentos e evolução da toxidade química, ecotoxologia e a segurança de produtos (pesticidas, aditivos alimentares, cosméticos e outras substâncias que apresentam risco potencial para a saúde humana). Um dos objetivos da Diretiva é substituir os testes com animais por métodos alternativos e entre eles, alguns métodos poderiam incluir testes baseados na utilização de células-tronco embrionárias humanas obtidas na destruição de embriões.

A COMECE se mostra "extremamente preocupada pela disposição do projeto da Diretiva: os Estados membros poderiam ser obrigados a assegurar a implementação destes métodos alternativos, baseando-se ou não nas células-tronco embrionárias humanas". O Relatório da Etapa 2009 - "Estratégias de testes alternativos da Comissão Europeia" - aborda exemplos das estratégias de testes alternativos que estão atualmente em desenvolvimento. De um total de 21 estratégias, as cinco seguintes utilizam células-tronco humanas:

1. ReProtect: seu objetivo é desenvolver testes sobre a toxidade reprodutiva, utilizando células-tronco humanas tratadas quimicamente durante sua diferenciação neuronal e cardíaca.

2. VITROCELLOMICS: propõe desenvolver testes pré-clínicos de previsão sobre medicamentos, utilizando modelos hepáticos humanos in vitro derivados de células-tronco humanas.

3. INVITROHEART: com o objetivo de desenvolver um modelo in vitro derivado de células-tronco embrionárias humanas, representando fielmente os cardiomiócitos humanos para provar os medicamentos.

4. ESNATS: com a finalidade de desenvolver uma nova plataforma de testes de toxidade, baseada particularmente nas células-tronco embrionárias humanas, para racionalizar o processo de desenvolvimento de medicamentos e avaliar sua toxidade nos estudos clínicos.

5. CarcinoGENOMICS: pretende desenvolver um teste para avaliar as propriedades genotóxicas e carcinógenas de compostos químicos in vitro, utilizando células hepatocyte-like derivadas de células-tronco embrionárias humanas.

Estas tecnologias receberam apoio financeiro da União Europeia por meio dos programas marco de pesquisa 6° e 7°. Ainda mostrando-se de acordo com os objetivos previstos por esta Diretiva - a proteção animal -, a COMECE recorda "a diferença fundamental que existe entre a dignidade dos animais e os seres humanos".

De acordo e com coerência com suas declarações anteriores, a COMECE lança, portanto, um apelo aos membros do Parlamento Europeu para "excluir explicitamente dos métodos de testes alternativos obrigatórios, no contexto desta Diretiva, os que implicam na utilização de células-tronco embrionárias humanas". Este enfoque, conclui, "permitiria ainda promover as outras diversas estratégias de teste alternativo que estão amplamente acordadas".

Fonte: http://www.zenit.org/article-25903?l=portuguese

Peregrinação 'verde' ao Santuário de Mariazell


Os bispos e delegados das conferências episcopais europeias responsáveis pela proteção da criação, realizaram entre os dias 01 e 05 de setembro, uma peregrinação "verde" em cinco etapas, desde Esztergom (Hungria) até o santuário mariano de Mariazell (Áustria), passando por Brastislava (Eslováquia). A iniciativa, promovida pelo Consillium Conferentiarum Episcoporum Europae - CCEE (Conselho das Conferências Episcopais da Europa), busca refletir sobre o tema indicado por Bento XVI para o Dia Mundial da Paz de 2010: "Se quiseres cultivar a paz, preserva a criação".

"A crise ecológica" - explicou o secretário-geral da CCEE, Pe. Duarte da Cunha - "entendida como uso irracional e irresponsável dos dons da criação, que estamos passando hoje na Europa, está ligada à atual crise moral do continente: uma influencia a outra. O próprio Santo Padre" - recordou Duarte - "destacou que uma verdadeira atenção à ecologia do planeta não pode prescindir de uma séria reflexão sobre a ecologia humana, de uma conversão espiritual nem de uma mudança nos estilos de vida".

Elaborou-se então uma peregrinação para enfrentar o tema da proteção da criação. "Por sua natureza" - afirmou o secretário-geral do CCEE - "a peregrinação é antes de tudo um caminho espiritual, um caminho de conversão que começa deixando o próprio ambiente habitual para alcançar um objetivo particular marcado pela intervenção divina". A peregrinação começou em Esztergom com a Celebração Eucarística e a benção do peregrino por parte do presidente do CCEE, arcebispo de Esztergom-Budapeste, Cardeal Peter Erdö.

No dia seguinte, os delegados chegaram de barco a Bratislava, cruzando as águas do Danúbio, o maior rio da Europa. Houve a oportunidade para refletir sobre o tema da água e da energia. Em Bratislava, os peregrinos foram acolhidos pelo arcebispo da cidade, Dom Stanislav Zvolenský e pelo prefeito Andrej Durkovský. Na sexta-feira, houve uma reflexão sobre a formação na proteção da criação, com uma mesa redonda que teve a participação do presidente do Conselho Pontifício Justiça e Paz, Cardeal Peter Kodwo Appiah Turkson, e do ministro eslovaco de obras públicas, Ján Figel.

Após a viagem de ônibus até St. Polten (Áustria), foi realizada uma celebração ecumênica na catedral, da qual participaram alguns representantes das igrejas cristãs e órgãos ecumênicos locais e internacionais. Durante a celebração, foi recitada a Bridge Prayer ("Oração Ponte") junto os participantes do 14° Congresso Internacional da Renovabis sobre o tema "Ser responsáveis da criação - Desafio ecológico na Europa Central - Oriental", que acontecerá em Mônaco (Alemanha) entre os dias  02 e 04 de setembro.

No sábado, os peregrinos viajaram de trem desde St. Polten até Burgeralpe, onde foi presidida a Celebração Eucarística pelo arcebispo de Malinas-Bruxelas e presidente da Conferência Episcopal da Bélgica, Dom André-Joseph Léonard. Depois, percorreram a pé os últimos quilômetros da peregrinação até o santuário de Mariazell.

A peregrinação será concluída hoje, com missa presidida pelo presidente da Conferência Episcopal Austríaca e arcebispo de Viena, cardeal Christoph Schonborn. Também participaram da peregrinação dez jornalistas de diversos países europeus que divulgarão os pensamentos dos delegados das Igrejas da Europa sobre os dons da criação.






.................................................................................


Bento XVI acompanha peregrinação verde

Uma ‘solidariedade global renovada’ não diminui a responsabilidade de uma região, país ou pessoa”, frisou em 03.09 o presidente do Conselho Pontifício Justiça e Paz, cardeal Peter Turkson. No entender do prelado, a definição e o cumprimento de critérios de salvaguarda ambiental só poderá acontecer quando os líderes mundiais reconhecerem que a proteção da "criação" é um “meio essencial para a paz”, além de contribuir para evitar uma catástrofe ecológica.

As palavras de Peter Turkson foram proferidas em Bratislava, capital da Eslováquia, no terceiro dia da “Peregrinação Verde”, que inclui uma comitiva de bispos da maior parte dos países da Europa que fazem a viagem entre a Hungria e a Áustria em trajetos percorridos de barco, ônibus, comboio e a pé.

O Papa Bento XVI deseja que esta peregrinação “suscite um renovado empenho pela proteção do ambiente” e reafirme “o respeito imprescindível pelos dons divinos da Criação”, refere um telegrama enviado esta manhã pelo secretário de Estado do Vaticano, cardeal Tarcisio Bertone, ao presidente do CCEE, cardeal Péter Erdö. Para o cardeal Peter Turkson, “se lhe for dada uma oportunidade, a Terra poderá ser capaz de se curar a si própria”, o que só sucederá “se a humanidade quiser dar os passos necessários para que tal aconteça”.