5 de setembro de 2010

"Sim” à proteção animal, mas não às custas da vida humana...

Tradução: Nieves San Martín

Os métodos alternativos aos testes com animais poderiam incluir testes com células-tronco embrionárias humanas e após o projeto da Diretiva Europeia que está sendo preparado, os Estados membros poderiam ser obrigados a utilizar tais testes. Sobre esta questão, a Commission of the Bishops' Conferences of the European Union - COMECE (Comissão de Conferências Episcopais da Comunidade Europeia) se manifestou contra e no próximo dia 08 de setembro, a Assembleia Plenária do Parlamento Europeu se pronunciará, em segunda leitura, sobre um projeto da Diretiva sobre a proteção dos animais utilizados com fins científicos (COD/2008/0211).

São utilizados animais na pesquisa científica para o desenvolvimento de medicamentos e evolução da toxidade química, ecotoxologia e a segurança de produtos (pesticidas, aditivos alimentares, cosméticos e outras substâncias que apresentam risco potencial para a saúde humana). Um dos objetivos da Diretiva é substituir os testes com animais por métodos alternativos e entre eles, alguns métodos poderiam incluir testes baseados na utilização de células-tronco embrionárias humanas obtidas na destruição de embriões.

A COMECE se mostra "extremamente preocupada pela disposição do projeto da Diretiva: os Estados membros poderiam ser obrigados a assegurar a implementação destes métodos alternativos, baseando-se ou não nas células-tronco embrionárias humanas". O Relatório da Etapa 2009 - "Estratégias de testes alternativos da Comissão Europeia" - aborda exemplos das estratégias de testes alternativos que estão atualmente em desenvolvimento. De um total de 21 estratégias, as cinco seguintes utilizam células-tronco humanas:

1. ReProtect: seu objetivo é desenvolver testes sobre a toxidade reprodutiva, utilizando células-tronco humanas tratadas quimicamente durante sua diferenciação neuronal e cardíaca.

2. VITROCELLOMICS: propõe desenvolver testes pré-clínicos de previsão sobre medicamentos, utilizando modelos hepáticos humanos in vitro derivados de células-tronco humanas.

3. INVITROHEART: com o objetivo de desenvolver um modelo in vitro derivado de células-tronco embrionárias humanas, representando fielmente os cardiomiócitos humanos para provar os medicamentos.

4. ESNATS: com a finalidade de desenvolver uma nova plataforma de testes de toxidade, baseada particularmente nas células-tronco embrionárias humanas, para racionalizar o processo de desenvolvimento de medicamentos e avaliar sua toxidade nos estudos clínicos.

5. CarcinoGENOMICS: pretende desenvolver um teste para avaliar as propriedades genotóxicas e carcinógenas de compostos químicos in vitro, utilizando células hepatocyte-like derivadas de células-tronco embrionárias humanas.

Estas tecnologias receberam apoio financeiro da União Europeia por meio dos programas marco de pesquisa 6° e 7°. Ainda mostrando-se de acordo com os objetivos previstos por esta Diretiva - a proteção animal -, a COMECE recorda "a diferença fundamental que existe entre a dignidade dos animais e os seres humanos".

De acordo e com coerência com suas declarações anteriores, a COMECE lança, portanto, um apelo aos membros do Parlamento Europeu para "excluir explicitamente dos métodos de testes alternativos obrigatórios, no contexto desta Diretiva, os que implicam na utilização de células-tronco embrionárias humanas". Este enfoque, conclui, "permitiria ainda promover as outras diversas estratégias de teste alternativo que estão amplamente acordadas".

Fonte: http://www.zenit.org/article-25903?l=portuguese

Nenhum comentário:

Postar um comentário